Criança em chat é alvo fácil de pedófilos

21/06/2005
Fonte: 
A Tarde
Autor: 
Da Redação
Veículo de Imprensa: 
Veículo Nacional

Brasil ocupa o quarto lugar no ranking de países que mais usam a internet para a divulgação de páginas de conteúdo pornográfico infantil

O quadro da pedofilia infantil na internet é alarmante. Campo fértil para os pedófilos, dada a facilidade em abordar os menores em chats e redes de comunicação instantânea, a internet colocou o Brasil em quarto lugar no ranking mundial das páginas dedicadas à pornografia infantil, segundo revelou a Telefono Arcobaleno (www.telefonoarcobaleno.com), uma associação italiana que desenvolve projetos em defesa das crianças.

As denúncias de abuso sexual contra crianças e adolescentes aumentam a cada dia. De acordo com a entidade, que atua em conjunto com as polícias de vários países, bem como com a Interpol e FBI, em 2003, a Arcobaleno detectou mais de 17 mil endereços na rede mundial ligados à pornografia infantil, sendo que 1.210 deles referiam-se a sites brasileiros.

Páginas de pedófilos virtuais se multiplicam cada vez mais na internet, mas, ao mesmo tempo em que os criminosos investem na criação de redes e clubes pédofilos, surgem na internet grupos dispostos a pôr atrás das grades quem comete este tipo de crime.

Só para se ter uma idéia, o site Censura (www.censura.com.br) conseguiu identificar e catalogar, desde que entrou no ar, há seis anos, mais de seis mil denúncias enviadas para o endereço. Além disso, o site é responsável pela Campanha Nacional contra a Pedofilia na Internet.

Projeto de lei – O armazenamento físico ou digital de imagens e vídeos pornográficos envolvendo crianças e adolescentes, além da divulgação paga ou gratuita a esse material, também deverá ser considerado crime. Este é um dos itens que constam do mais recente projeto de lei, de nº 4851/05, elaborado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Exploração Sexual, que tramita na Câmara dos Deputados.

Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, vai para a cadeia aquele que é responsável pela criação de filmes e fotos. Com o projeto, quem executar ou facilitar o acesso a imagens de sexo com criança ou adolescentes na internet também será considerado criminoso e poderá estar sujeito a reclusão de dois a seis anos.

No mundo virtual, de acordo com as investigações feitas por especialistas e organizações que combatem o crime online, os aliciadores de menores se valem de certeiras táticas para atrair a atenção das crianças. Uma delas se refere ao modo como são abordadas nas salas de bate-papo ou em blogs. Muitas vezes, usam um disfarce convincente ao induzir as crianças a estabelecer um contato via e-mail ao enviar fotos pornográficas para elas, o que comprova que nem sempre as crianças expostas em sites são menores em situação de risco social.

Denúncias apuradas pelo Censura.com revelaram um quadro assustador, porém muito real: mães que enviam pedido de socorro ao descobrir que o marido fotografava a própria filha e negociava as imagens na internet. (Regina de Sá)

PF prende grupo que agia na web

A operação Anjo da Guarda, da Polícia Federal-DF (www.dpf.gov.br) deu início a uma verdadeira cruzada contra a rede de pedofilia na internet. No começo deste mês, a PF conseguiu identificar em oito Estados do Brasil quadrilhas que divulgavam na internet, por meio de computadores, disquetes, e-mails, fitas VHS e CD-ROMs, material pornográfico envolvendo menores.

As informações apreendidas pela PF resultaram no cumprimento de 18 mandados de busca e apreensão e análise de todo o material para se comprovar a ligação dessas pessoas com redes de pedofilia no Brasil e exterior.

A caça aos criminosos na rede resultou na prisão de um professor de lutas marciais, na cidade de Volta Redonda (RJ). Anderson Luís Juliano Borges Costa, de 33 anos, foi preso acusado de divulgar, trocar e produzir, para o ambiente internet, fotos e vídeos onde aparecem crianças sendo exploradas sexualmente. Um dos vídeos que circularam na rede mostrava um bebê de três anos sofrendo abuso sexual. O material encontrado na casa do professor foi considerado um dos maiores arquivos de imagens pedófilas já encontrados pela Polícia, que apreendeu dois micros, que armazenavam cerca de 280 mil fotos de crianças em poses pornográficas e mais 166 CDs. Pelo menos 20 das crianças foram identificadas pela PF.

No Brasil, o Estatuto da Criança e do Adolescente aponto como crime a pedofilia pela internet, com pena prevista de dois a seis anos de prisão. Anderson Costa vai responder na Justiça por atentado violento ao pudor (Artigo 214 do Código Penal) e por ter produzido, distribuído e trocado fotos e filmes (Artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente), crimes hediondos pelos quais poderá ser condenado a até 10 anos de prisão para cada criança que molestou. (RS)

Comunidades defendem menor

Na rede de relacionamentos Orkut, dentre as cerca de seis milhões de pessoas cadastradas, algumas delas aqui no Brasil mostram-se interessadas em combater a exploração sexual infantil online.

Uma delas é a comunidade Diga não à pedofilia, que possui 5.558 membros. A página mostra as discussões do grupo, traz uma lista dos sites de combate à pornografia infantil e um telefone para quem deseja denunciar e não sabe por onde começar.

A comunidade explica aos participantes sobre a importância de enviar a denúncia ao tópico mais apropriado. A página destaca os links onde o internauta pode denunciar sites, comunidades e até perfis de usuários da rede que podem sugerir a prática da pedofilia. (RS)

10 passos para proteger a criança

z Mantenha o micro em uma área comum da casa – além de todos terem acesso, isso evita que a criança baixe da rede material impróprio (fotos, vídeos etc.)

z Se seu filho (a) necessita utilizar a internet em local público, recomenda-se que um adulto vá junto

z Acesse a internet junto com a criança e mostre a ela os sites legais e aqueles que deve evitar

z Saiba o que seu filho (a) vê e faz pela internet, como os blogs, flogs e sites desenvolvidos por ele (a). Caso encontre material ofensivo, argumente e explique sobre isso

z Sempre que encontrar na rede alguma atividade suspeita, denuncie e ensine o menor a relatar também

z Regras como tempo que a criança gasta plugada na internet devem ser respeitadas por ela

z Quando há muitas crianças usando o PC, recomenda-se instalar programas tipo filtros que bloqueiam sites

z Se seu filho recebe ligações ou cartas de pessoas desconhecidas, cheque a conta de e-mail e oriente a criança a não fornecer dados pessoais na internet, escola, telefone ou locais públicos

z Procure contato pessoal com os amigos virtuais da criança, pois na rede existem pessoas do bem e do mal

z Ensine a criança a evitar responder e fazer downloads de e-mails desconhecidos, principalmente se virem com anexos ou imagens ofensivas

PEDOFILIA

Doença que geralmente se manifesta em adultos; atingem o prazer sexual a partir de um contato físico ou visual com crianças ou adolescentes.

PORNOGRAFIA INFANTIL

Termo utilizado para diferenciar a pornografia adulta daquela que contenha imagens de crianças ou adolescentes em poses ou situações erotizadas, de sexo explícito ou inadequado.

EXPLORAÇÃO SEXUAL

Quando o adulto se aproveita da criança ou adolescente para obter lucro financeiro através de uma criança ou adolescente em troca favores sexuais, prostituição, rufianismo, pedofilia etc.